segunda-feira, junho 18, 2007

Sai Ota, Alcochete ou Portela + 1?



Nestes últimos tempos muito se tem discutido sobre a localização do novo aeroporto de Lisboa, avançando com motivos diversos para justificar a escolha desta ou daquela localização.

Embora seja, funcionalmente, contra o Projecto Ota, parece-me que a discussão mais relevante que podemos fazer é exactamente aquela que não está a ser feita: análise estratégica da construção de um novo aeroporto, e não a sua localização. Para isso, parece-me importante responder a algumas questões, antes de escolher a melhor localização:

1) É fundamental construir um novo aeroporto? A Portela está já esgotada ou tem ainda margem de vida útil? E que margem será essa?

2) Que papel queremos que Portugal desempenhe em termos de transportes e, no caso concreto, da aviação? Queremos ser, de facto, uma grande plataforma aérea do lado europeu do Atlântico?

3) Que futuro prevemos para a aviação civil em Portugal? Em que rotas queremos apostar? Que trajectos queremos potenciar? Que tipo de voos pretendemos 'ganhar'?

4) Qual o papel a desempenhar pelo novo aeroporto no quadro do desenvolvimento estratégico e integrado das duas maiores cidades do país, Lisboa e Porto?

5) Qual a ligação da construção do novo aeroporto com os restantes transportes? Há alguma ideia de construção de um sistema integrado de comunicações aérea, ferroviária, marítima e viária?


Respondidas estas questões, saberemos que tipo de aeroporto queremos construir, quais as funções que terá que cumprir, que articulação com os restantes meios de comunicação deverá assegurar, que objectivos se propõe atingir e, no fim, de forma natural, qual a sua melhor localização, ao serviço do projecto. De qualquer outro modo estamos a construir a casa pelo telhado e, mais uma vez, a fazer obra sem pensar o que significa dinheiro dos contribuintes mal gasto e má gestão da coisa pública.

Um comentário:

Diogo Alvim disse...

Miúda,
Os estudos que pedes estão feitos e as respostas, nas minhas palavras, são as seguintes:
1) É imperioso construir um novo aeroporto porque a Portela está já praticamente esgotada e já não responde às necessidades. Quanto à margem de vida, é claro que se pode manter por muitos e bons anos mas não como o único aeroporto.
2) Lisboa já foi essa plataforma para África e América do Sul e perdeu a posição para aeroportos maiores e mais bem estruturados como o de Schippol ou Barajas. Isto apesar de, do ponto de vista de localização, Lisboa ser bem mais central.
3) Isso não é uma pergunta que se possa responder agora porque a aviação civil muda muito, mas que Lisboa pode ser um ponto estratégico entre a América (N&S), Europa e África, lá isso pode, mas não com este aeroporto que já está saturado e sem possibilidade de crescimento.
4) Com o TGV a ligar essas duas cidades, o Porto também pode beneficiar de um novo aeroporto com mais rotas, mais companhias, logo, mais concorrência.
5) Primeiro tem mesmo que se saber onde é o aeroporto e só depois pensar como se pode ligar o dito cujo aos outros meios de transporte, certo?