quarta-feira, junho 27, 2007

Cidades SLIH




Como não poderia deixar de ser, a primeira "coisa" que destaco nesta novíssima rubrica é uma cidade que tem tudo para ser uma cidade SLIH: LONDRES.

Londres é uma cidade elegante, cosmopolita, levemente misteriosa (o fog dá-lhe aquela mística tão especial), romântica (e quem disser que Londres não é romântica é porque nunca se deixou apaixonar por - ou nessa - cidade), graciosamente distante mas temperamental na sua forma britânica de o ser.

Uma cidade que alia a graciosidade e a leveza de Convent Garden com a austeridade secular da City; que mistura o melting pot social e étnico do Soho com a elegância e a classe das ruas alinhadas de Belgravia; que junta a vida, a arte e a cultura que fervilham no Strand e West End com as tardes de dolência calma nos jardins de Kensington; que esbanja glamour no Harrods e Knightsbridge e prima pela fleuma dos parlamentares em Westminster. Uma cidade de mil caras e de mil cores, que fascina e encanta desde o primeiro momento: desde a primeira caminhada no Mall, a primeira viagem no Tube, a primeira peça de teatro no West End, as primeiras compras em Regent Street, a primeira noite em Convent Garden, o primeiro fim de tarde no Embankment...


Adenda, feita tarde e a más horas:
Para mim Londres tem uma canção óbvia que evoca tudo aquilo que ela é e que se encaixa, perfeitamente, nas suas ruas e nas suas gentes. Chama-se «The Blower's Daughter» (de Damien Rice, mais conhecida por ser a canção-tema do filme Closer) e ninguém deve passear por Londres sem a ouvir e cantarolar «I can't take my eyes of you».

Um comentário:

Emigrado em Londres disse...

Fantástico post sobre a minha cidade adoptiva que capta a multiplicidade das facetas de Londres. Sem dúvida escrito por uma apaixonada da cidade.